Veio do Espaço…

Em 55 DH a ganância a que a sociedade moderna caiu leva a que apenas alguns consigam fugir para Marte. O 1/3 da população humana que fica na terra é reduzida a 1% em menos de 12 meses… mas novas formas de vida despertam.

Em 55 DH o terror cósmico, inspirado nos contos de H.P. Lovecraft, está presente. Os Mortos-vivos e os Infectados partilham o mesmo fogo – vírus alienígena que despertou com o degelo e vê no calor dos dias e o frio das noites o leito da prosperidade.

As Igrejas ocidentais, que anos antes do Ano 0, praticamente tinham desaparecido, ganham novas formas, encarando estes fenómenos como obra do demónio.

Um mundo que é uma ruína dos tempos áureos da tecnologia, nomeadamente digital e da mobilidade, restando apenas algumas bolsas nas Redomas Vivas, fechadas a 7 chaves…

O tempo vai passando e a nova geração nascida nas Redomas, 30 anos Depois do Fim da Humanidade, que em muito se assemelha à dos dias de hoje, luta por melhores condições de vida nos bairros pobres e abandonados, vivendo na sombra dos muros dos senhores e no medo do mundo exterior.

55 DH

55 DH é um setting para o jogo Catrapum! (V3 ainda não disponível) que estou a desenvolver, em baixo um pequeno resumo…

O aquecimento global, a escassez de água, a guerra, a destruição. 2/3 da população mundial partiu em busca de um novo lugar para viver, os restantes, que ficaram na terra, desesperados, procuraram sobreviver sem sucesso, apenas 1% da população mundial conseguiu resistir. Um novo calendário foi criado. Um novo ano 0 marcou a fuga. Na terra esse período ficou conhecido como o “Fim da Humanidade”.
A catástrofe, marcada pelo degelo, variações de temperaturas extremas, propagação de doenças, destruição de infraestruturas, insuficiência de recursos e energia. Os que ficam aprendem a sobreviver. Os que partiram desapareceram da memória.
A destruição de grande parte do mundo, deixou livre poucos espaços habitáveis onde os mais ricos e poderosos conseguem criar zonas temperadas, redomas onde vivem, controlando os poucos recursos disponíveis. Os mais pobres acabam por cair nas mãos do calor excessivo e da falta de água não se conseguindo proteger. Deste caos surge uma doença que os afecta levando-os a resistir a tudo… menos à vida. Nos campos gelados os seus cadáveres e espíritos vagueiam.